Instinto de Vida en Español

A América Latina, com apenas 8% da população mundial, concentra a maior quantidade de homicídios no mundo: 38% dos assassinatos no planeta ocorrem na região. O problema se concentra ainda mais em sete países: Brasil, Colômbia, El Salvador, Honduras, Guatemala, México e Venezuela. Cerca de 34% dos homicídios do mundo ocorrem nesses lugares. Cansadas de ver seus países ocuparem os primeiros lugares nessas tristes estatísticas, várias organizações da região criaram a aliança latino-americana Instinto de Vida.

Quer saber mais sobre a campanha e ajudar a salvar vidas?

0 assinaturas

Das 50 cidades com mais assassinatos do planeta, 43 estão na América Latina.

Em média, 144 mil pessoas perdem suas vidas de maneira violenta por ano na região. Isso representa quase dois Maracanãs cheios.

A cada quatro pessoas assassinadas no mundo, uma é brasileira, colombiana ou venezuelana.

Os números assustaram? Se nada for feito, esse problema tende a piorar. Projeções do Observatório de Homicídios do Instituto Igarapé indicam que, enquanto a violência letal diminui em outras partes do mundo, a taxa regional poderá passar de 21 para 35 por cem mil habitantes até 2030. O número representa sete vezes a média global.

Se você quer saber como pode fazer a diferença, inscreva-se no formulário ao lado!

A CAMPANHA

A aliança latino-americana Instinto de Vida foi criada a partir da união de dezenas de organizações não governamentais da região. Nossa proposta é reduzir a violência letal à metade em 10 anos. Isso requer pressão e compromisso para políticas públicas inovadoras baseadas em evidências.

Ao redor do mundo, e mais especificamente na América Latina, reduções sustentáveis, inclusive de 10% e 15% anuais, já foram alcançadas.

Convidamos a sociedade e os governos, nos níveis regionais, nacionais, estaduais e municipais, a se comprometerem a fazer mudanças que levem à redução dessas mortes.
Como vamos fazer isso?

1. Estabelecimento de objetivos e metas para
a redução de homicídios, respaldados por compromissos claros dos governos

2. Apoio ao desenvolvimento de planos e programas para reduzir os homicídios nas
áreas mais afetadas

3. Disseminação de dados e informações sobre políticas públicas e programas que funcionam



4. Mobilizações que pressionam tomadores de decisão a realizar mudanças e investimentos em políticas públicas

5. Estímulo à empatia, em contraste à ideia de que as altas taxas de assassinatos são normais ou aceitáveis em nossas sociedades

6. Estimularemos a mobilização de cidadãos e ofereceremos apoio técnico para que os responsáveis pelas políticas públicas desenvolvam planos de redução de homicídios efetivos
VALORES

BASE EM EVIDÊNCIAS
Os recursos e a vontade política para reduzir homicídios são limitados. Assim, esses meios escassos devem ser concentrados em intervenções que já tenham apresentado sucesso, demonstrado por dados e análises rigorosos.


GARANTIA DE ACESSO A JUSTIÇA E A UM PROCESSO LEGAL JUSTO
Os métodos e intervenções apropriados para reduzir a violência devem respeitar os direitos fundamentais e o acesso à Justiça, no lugar de comprometê-los em nome da redução de homicídios.



FOCO EM RESULTADOS
Nosso objetivo vai muito além de conscientizar as pessoas: desejamos conquistar avanços reais na redução de homicídios.




NÃO VIOLÊNCIA
Tais métodos e intervenções tampouco devem reproduzir a violência, mas sim apostar em um projeto positivo de transformação da sociedade que conduza à redução de homicídios.



VALORIZAÇÃO DA PARTICIPAÇÃO CIDADÃ EM POLÍTICAS PÚBLICAS
A melhor maneira de assegurar mudanças culturais é envolvendo a população diretamente na redução de homicídios, por meio de uma mensagem positiva sobre o valor
da vida.

PROTEÇÃO DOS CIDADÃOS E DA SEGURANÇA COMO BEM PÚBLICO
No centro das intervenções, devem estar a proteção às pessoas e a concepção da segurança como um bem público, cuja responsabilidade primária é do Estado, mas que também exige uma participação ativa dos cidadãos.

#VIVOS EM NÓS


No Brasil, 50 milhões de pessoas conhecem alguém que foi assassinado.
Pensando nessas vidas interrompidas, a aliança latino-americana Instinto de Vida criou a Vivos em Nós, um espaço para homenagear as pessoas levadas precocemente pela violência.

Se você conhece alguém que foi vítima de homicídio, envie sua homenagem!



MEMBROS ATUAIS

FUNDADORES

Caracas Mi Convive (Venezuela)
Dromómanos (Regional)
Efecto Cocuyo (Venezuela)
Enjambre Digital (México)
Fósforo (México)
Instituto Sou da Paz (Brasil)
Istituto Igarapé (Brasil)
Jóvenes Contra la Violencia (Guatemala)
Kino Glaz (El Salvador)
México Evalúa (México)
Nómada (Guatemala)
Nossas (Brasil)
Observatório de Favelas (Brasil)
Pacifista! (Colômbia)
Plaza Pública (Guatemala)
Reacin (Venezuela)
Redes Ayuda (Venezuela)
Ve por Sinaloa (México)
Visão Mundial (Brasil)




ASSOCIADOS

ACNUR-Colombia (Colômbia)
Alianza por la Paz y la Justicia (Honduras)
Animal Político (México)
Anistia Internacional Brasil (Brasil)
Apoena (Brasil)
Associação da cultura Hip Hop de Esteio (Brasil)
Casa Alianza (Honduras)
Cauce Ciudadano (México)
Colombia Diversa (Colômbia)
El Espectador (Colômbia)
FOPRIDEH (Honduras)
Fadismo (Brasil)
Fórum Brasileiro de Segurança Pública (Brasil)
Frente Colimense en Defensa de la Tierra, el Agua y la Vida (México)
Fundación Esquipulas (Guatemala)
Fundación para la Justicia y El Estado Democrático de Derecho (México)
Go Joven (Guatemala)
Instituto Fidedigna (Brasil)
Jóvenes Contra la Violencia Honduras (Honduras)
Parces (Colômbia)
PROVEA (Venezuela)
Runrunes (Venezuela)
World Vision Honduras (Honduras)

ALIADOS

APOIO

OBSERVATÓRIO DE HOMICÍDIOS

Tem interesse em saber mais sobre a distribuição, as dimensões e a dinâmica da violência letal no mundo?

MATERIAIS

Os materiais da campanha Instinto de Vida são voltados para cidadãos, acadêmicos e autoridades que desejam se comprometer com a redução de homicídios. Aqui são encontrados recursos como folhetos e guias de políticas públicas que funcionam.


NA MÍDIA


FONTES


contato@instintodevida.org